Notícias

Luiz Phellype Sonha O Regresso Ao Sporting

Emprestado pelo Sporting ao OFI, da Grécia, Luiz Phellype sonha o Regresso ao Brasil. Trabalhar com Abel Ferreira, treinador do Palmeiras

Emprestado pelo Sporting ao OFI, da Grécia, Luiz Phellype voltou a abordar o futuro e não escondeu o desejo de regressar ao Brasil. Trabalhar com Abel Ferreira, treinador do Palmeiras, é ‘namoro’ antigo.

«O Palmeiras está numa fase muito boa. Vi nos jornais que eles estão a precisar de um 9. Não sei se já encontraram, mas podem ligar-me quando quiserem. Se houver interesse do Palmeiras converso com eles. Gostava de voltar ao Brasil, mas não depende só de mim, claro. Mas vendo como o Palmeiras está hoje, seria uma hipótese muito interessante. Nenhum jogador negaria isso», começou por dizer em entrevista à ESPN.

O futuro, porém, passa por uma decisão do Sporting: «O contrato com o OFI termina no fim da época e ainda sou jogador do Sporting por mais dois anos. Tenho que me reapresentar no Sporting a meio do ano, mas não sei se vou ficar ou sair de novo por empréstimo. Vai depender da vontade deles. Por agora estou focado no OFI, depois veremos como vai ser.»

O avançado brasileiro, de 28 anos, lembrou que trabalhar com Abel Ferreira é um ‘namoro’ antigo desde os tempos em que jogava no Paços de Ferreira e o treinador português orientava o SC Braga.

«Depois, comecei a ganhar oportunidades e desandei a fazer golos no Paços de Ferreira. Os jornais portugueses diziam que Sporting e Benfica me queriam contratar, mas o SC Braga não mandou nada. Tive que fazer uma escolha. Não sei o que aconteceu, não sei se o Abel precisava de alguma autorização do presidente que não veio. Então, na época eu escolhi o Sporting e fui pra lá», recordou.

«Depois de um jogo entre o Paços e o SC Braga cruzámo-nos no elevador. Ele chamou-me e disse: ‘Queres vir para Braga?’ Assustei-me. Na altura não estava a jogar muito, mas disse que sim. Ele respondeu: ‘Conheço-te desde o tempo do Feirense, és bom jogador e gosto do teu estilo de jogo’. Eu respondi: ‘Pode me levar!’. Depois disso falámos algumas vezes e parecia que a coisa ia andar.»

«Depois, comecei a ganhar oportunidades e desandei a fazer golos no Paços de Ferreira. Os jornais portugueses diziam que Sporting e Benfica me queriam contratar, mas o SC Braga não mandou nada. Tive que fazer uma escolha. Não sei o que aconteceu, não sei se o Abel precisava de alguma autorização do presidente que não veio. Então, na época eu escolhi o Sporting e fui pra lá», recordou.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo