Futebol

QUESTÕES ABORDADOS POR RÚBEN AMORIM

Em conferência de imprensa após a vitória sobre o Famalicão, por 2-0, Rúben Amorim, treinador do Sporting, abordou várias questões que lhe foram colocadas, desde o rendimento da equipa, ao cartão amarelo que deixa Porro de fora do Dragão e, obviamente, como não poderia deixar de ser, esse aguardado duelo com o FC Porto.

 

Questionado sobre o rendimento da equipa e a possibilidade de os jogadores estarem já com a cabeça no jogo com os dragões, Rúben Amorim negou tal cenário: «O Famalicão tem uma equipa muito bem trabalhada, com jovens de muito talento que, por vezes, conseguem jogar melhor nestes jogos, contra equipas grandes, com mais espaço. Não vi ninguém pensar no clássico, portanto estamos de parabéns. Podíamos ter sido melhores, mas acaba por ser justa a vitória. Falta-nos alguma energia devido à nossa série de jogos, mas o que os jogadores precisam é de uma folga, vão tê-la amanhã e vão ter energia para sexta-feira.»

 

Sobre Slimani, o treinador do Sporting teceu rasgados elogios e explicou porque motivo lançou o argelino: «Devido à sequência de jogos, faltou-nos alguma energia. O Slimani, com o apoio dos adeptos, podia dar-nos essa energia. Foi o que o jogo pediu, mais do que dar minutos ao Slimani. Tem de crescer muito, nota-se fisicamente, mas trabalha muito. Adaptou-se da melhor forma e é um grande reforço para nós.»

 

Relativamente ao cartão amarelo que Porro recebeu e se mereceria algum reparo, Rúben Amorim defendeu o jogador: «Gosto que os jogadores não facilitem. O Porro ia numa corrida com o Bruno Rodrigues, que é muito rápido, se ia ser perigoso ou não, não sabemos, porque o Porro matou a jogada ali. Vem de uma sequência de jogos muito difícil, não joga este, jogará depois.»

 

No que diz respeito à saída de Feddal ao intervalo, Rúben Amorim explicou a decisão tomada: «Foi uma opção tática. Saiu porque tinha amarelo e o Matheus Reis é mais rápido e a única forma que o Famalicão tinha de chegar à nossa área era com lançamentos rápidos. Por vezes não sai quem está a jogar pior mas sim de acordo com os interesses da equipa. O Feddal tem muita qualidade, ele o Matheus Reis têm velocidades diferentes, mas não me vou alongar em explicações porque, senão, os treinadores adversários ficam a saber porque utilizo um e outro. Cada um tem as suas forças, são dois jogadores de qualidade com características totalmente diferentes.»

Quanto ao jogo no Dragão, Rúben Amorim afirmou: «Teremos tempo para falar sobre isso. Todos precisam de carregar baterias. É um jogo muito importante. Tínhamos dez pontos na época passada, depois desse jogo continuámos com dez pontos e viu-se o que aconteceu no final. Sabemos da importância do jogo e vamos ao Dragão para ganhar.»

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo